"Quero ser mãe de um menino...

Eu sou mãe de primeira viagem....carrego para você o mundo em minha bagagem. De repente, vi tudo mudar... tudo é novo, você vai chegar!!!!Nossa história começa assim: tenho você aqui dentro de mim... se tenho razão pra viver, é porque amo você...
Duas vidas e um caminho pra se viver,se eu fosse escolher, escolheria você... Tudo é lindo, não dá pra explicar!!! Vejo a vida agora começar... Estou tão feliz...

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

30ª semana

A medida do bebê deve estar em torno de 27cm e seu peso 1350g.

O bebê já passa a ficar na posição do parto normal, isto é, de cabeça para baixo. Nas menininhas, o clitóris está bem à vista, pois os pequenos lábios ainda não o cobriram.

Nesse terceiro trimestre, o bebê precisa de muitos nutrientes. Faça uma alimentação saudável.

A mamãe poderá sentir-se incomodada ao dormir. A posição ideal é deitar-se do lado esquerdo, porque exige menos esforço e facilita a circulação placentária.

Chá de bebê
Vai realizar o chá de bebê? Então está na hora de começar a idealizá-lo. Primeiro decida quem vai convidar e os presentes que estão faltando no enxoval do bebê ou que deseja ganhar.

Em seguida, escolha alguém para organizar tudo isso para você, já que não pode saber o que vai ganhar de quem.

Divirta-se!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Parto Humanizado

A humanização do parto não significa mais uma nova técnica ou mais conhecimento, mas, sim, o respeito à fisiologia do parto e à mulher.

Muitos hospitais e serviços médicos ignoram as regulamentações exigidas pela Organização Mundial de Saúde e Ministério da Saúde, seja por querer todo o controle da situação do parto, por conveniência dos hospitais em desocupar leitos mais rápido ou por comodidade de médicos e mulheres em que no mundo atual não se pode perder muito tempo.

Mas a ciência vem comprovando que o excesso de intervenções tecnológicas durante o parto pode não ser tão seguro em partos de baixo risco.

Já se provou que as parteiras são mais seguras que os médicos nos nascimentos de baixo risco, e que neste mesmo nascimento de baixo risco o parto domiciliar ou em Casas de Parto são tão seguros quanto os realizados nos hospitais e maternidades, com a vantagem de não realizarem tantas intervenções, pois o parto é mais natural.

O acompanhamento familiar deixa a parturiente mais tranqüila, tornando o parto mais seguro, ao constatar que a equipe especializada dos hospitais não consegue oferecer o suporte emocional que a parturiente necessita.

A posição deitada substituiu o parto vertical para melhor controle médico, mas a posição vertical é mais segura tanto para a mamãe quanto para o bebê, além de ser mais rápida. A presença do bebê junto à mãe após o parto é tão ou mais importante para o vínculo afetivo dos dois do que os exames realizados no bebê depois do parto e longe da mãe.

Mais do que após o parto, a presença do bebê junto à genitora no quarto é fundamental para o conhecimento de ambos, maior vínculo afetivo e amamentação prolongada. O leite artificial substituiu o leite materno e está provado que o aleitamento materno é superior nas suas qualidades.

Humanizar o parto é dar liberdade às escolhas da mulher, prestar um atendimento focado em suas necessidades, e não em crenças e mitos. O médico deve mostrar todas as opções que a mulher tem de escolha baseado na história do pré-natal e desenvolvimento fetal e acompanhar essas escolhas, intervindo o menos possível.

É a mulher que deve escolher onde ter o bebê, qual acompanhante quer ao seu lado na hora do trabalho de parto e no parto, liberdade de movimentação antes do parto e em que posição é melhor na hora do nascimento, direito de ser bem atendida e amamentar na primeira meia hora de vida do bebê. Para isso, é fundamental o pré-natal.

A dor é entendida como uma função fisiológica normal que pode ser aliviada com métodos não-farmacológicos amplamente embasados, mas não quer dizer que a mulher não tenha a escolha de optar pelo uso de analgesia.

Isso não significa que o parto cesárea ou com intervenção médica não possa ser humanizado. O parto cesárea existe para salvar vidas, mas não deve ser a grande maioria dos partos como acontece hoje e sim como em último caso. Isso também deveria acontecer com as intervenções médicas que somente devem ser aplicadas quando necessárias ou quando de escolha da mulher se bem orientada quanto a essas intervenções.

O Parto Humanizado significa direcionar toda atenção às necessidades da mulher e dar-lhe o controle da situação na hora do nascimento, mostrando as opções de escolha baseados na ciência e nos direitos que tem.

http://guiadobebe.uol.com.br/parto/parto_humanizado.htm

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

26ª semana

O 6º mês de gestação chegou. E com ele o fim do 2º trimestre da gravidez.
O bebé mede 31 cm e pesa cerca de 800 g.
O seu útero deverá medir aproximadamente 24-26 cm e estar cerca de 3 dedos (cerca de 7 cm) acima do umbigo. É freqüente que ele apresente contrações e relaxe rapidamente; não entre em pânico.
Possivelmente está a ter as contrações de "Braxton Hicks". Elas são normais, indolores e acontecem em intervalos irregulares. Elas representam um tipo de preparo uterino para o parto, que ainda está longe. Não esqueça que o útero é um órgão muscular, e como tal apresenta discretas e rápidas contrações, sem provocar a dilatação do colo uterino ou parto.

O feto mede, sensivelmente, 23 cm da cabeça às ancas. Faz os movimentos próprios da respiração, mas não tem ar nos pulmões, o que é natural, pois está submerso em líquido amniótico.
Se se apontar uma luz ao abdómen da grávida o feto reage, virando-se. Esta atitude significa, de acordo com investigadores, que o nervo optico está operacional.
Os vasos sangüíneos começaram a proliferar nos pulmões na última semana, os pequenos sacos de ar pulmonares (alvéolos) terminam sua formação nesta semana.
Os pulmões continuam a produzir surfactante (um tipo de substância semelhante ao sabão) que permite a sua expansão durante a respiração.
Ao lado do crescimento pulmonar, o cérebro continua a aperfeiçoar a atividade de ondas cerebrais para os sistemas visual e auditivo.
Os seus olhos estão bem abertos. Ainda é magro, mas já existe bastante gordura depositada subcutaneamente. Os movimentos ainda são visíveis e vigorosos e a sua pele ainda é vermelha.
O rosto está cada vez mais definido com as feições que vai ter quando nascer.
Os pulmões ainda estão a crescer. A sua audição está completamente desenvolvida


O bebé já produz mecónio, uma substância verde escura que é excretada nos primeiros dias de vida.
Algumas marcas de nascença podem surgir nesta fase.
A chance de sobreviver aumenta dia a dia a partir de agora.

Poderá aparecer a chamada linha negra que vai desde o osso púbico até quase ao seu umbigo.
É natural que a grávida sinta dores e dormência nas mãos dedos e pulsos.
É importante que, durante a gravidez, sejam efectuados diversos testes de rotina. Um desses testes é o da tolerância à glucose, a fim de verificar se a grávida sofre de diabetes gestacional.
Pode começar a sentir dores nas costelas à medida que o seu bebé cresce e é empurrado na direcção do seu tórax. Esta pressão pode também ser causadora de indigestão e de azia.
Não se preocupe por continuar a engordar, pois isso é natural A partir de agora a grávida precisa de cerca de 300 calorias adicionais por dia. Faça as contas para não exceder.

Se ainda não fez, não se esqueça que é preciso preparar, pintar ou decorar o quarto. Durante a pintura a mãe deve ser mantida afastada dele. O pai junto com ela deve procurar uma maneira divertida de fazer as coisas. Afinal de contas esse acontecimento é mais ou menos raro.
O pai pode e deve a acostumar-se desde já a dedicar alguns minutos do seu tempo ao seu filho dando miminhos na barriga da mãe e conversando com ele.


http://bebes.clix.pt/
http://www.clinicafgo.com.br/

CANSADA DE ACORDAR PARA AMAMENTAR?

Querida mamãe,

Esta noite acordei estranhando o silêncio. Não havia barulho algum e pensei que
o mundo tinha até acabado e você esquecido de mim. Coloquei a boca no trombone e você veio. Ainda bem!

Fiquei tão feliz no calor do seu peito que acabei pegando no sono antes de mamar tudo o que precisava. Quando percebi que você ia me colocar no berço, chorei de novo, mas não tente negar: você estava com pressa para ir dormir outra vez.

Você me deu de mamar novamente, assim, meio apressadinha e depois resolveu trocar a minha fralda. Estava tudo tão calmo, um silêncio, nós dois juntinhos.
Estava legal e eu perdi o sono. Você até que foi compreensiva, mas começou a
bocejar e resolveu me fazer dormir. Eu não queria dormir. Talvez eu precisasse
de mais dez minutos, meia hora.

Mas você estava mesmo decidida a dormir. Foi ficando bem nervosa e até chamou o papai. Eu não queria o papai e todos fomos ficando muito irritados. No final das contas acordei a casa inteira cinco vezes. De manhã nossa família estava com cara de quem saiu do baile. Acho que estraguei tudo.

Imagina, você chegou a dizer para o papai que eu estou com problema de sono. Eu não! Você é que vem me dar de mamar com pressa e daí eu sinto que você não quer mais ficar comigo.

Os adultos tem hora certa para tudo mas eu ainda não entendi essas de relógio e tarefas estafantes que as pessoas grandes precisam fazer. Quando meu corpo está com o seu, quero ficar do seu lado sem me separar nunquinha. Do alto dos meus três meses ainda não descobri direito que você é uma pessoa e eu sou outra.
Um dia, eu vou sair por aí, vou saber telefonar e posso lhe deixar doida para
saber o que ando fazendo e então você vai entender como me sinto agora. Mas não precisamos dessa guerra mamãe. Até lá já poderemos nos entender inclusive através das palavras.

Sinto a angústia da separação, pois terminei de viver uma das grandes. Você também, mas vive tudo isso como adulta consciente. Eu ainda vivo no inconsciente.

Por enquanto nossa comunicação direta fica restrita aos nossos sentimentos
inconscientes. Eu não sei nada, tudo é novo para mim. Você pode até achar que
não sabe nada e que tudo é novo para você, mas eu vou aprender o que você me ensinar através da sua sensibilidade, dos seus sentimentos em relação a mim.

Sabe, mamãe, se você quer um conselho, vou dar: quando eu chorar à noite, não salta logo para meu berço desesperada, como se o mundo fosse acabar. Espere um pouquinho, respire profundamente, ouça o meu choro até que ele atinja o seu coração. Sinta seu tempo, realmente acorde e venha me pegar. Me abrace devagar, não acenda a luz, fale bem baixinho e me dê o seu peito para eu mamar. Depois que eu arrotar, mais um pouco só de paciência, pois nós, bebês, somos muito sensíveis aos sentimentos dos adultos, especialmente os da mamãe. Se eu sentir que você está com pressa, sou capaz de armar o maior barraco, mas se você esperar até o meu segundo suspiro, quando meus olhos ficarem bem fechados, minhas mãos e pernas bem molenguinhas, aí sim pode me colocar de volta no berço que eu não acordo antes de sentir fome outra vez.

Conforme você for desenvolvendo sua paciência mamãe, eu estarei desenvolvendo minha tranqüilidade e nós não teremos mais noites infernais; apenas noites de mamãe/bebê, que um dia passam, como tudo na vida.

Sempre seu,
Gu-gu dá-dá!